TSE interrompe julgamento da chapa Dilma-Temer

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) suspendeu o julgamento da ação que pode levar à cassação da chapa Dilma-Temer após 3h. A Corte realiza nova sessão nesta 4ª feira (7.jun.2017) a partir das 9h.
Os ministros rejeitaram nesta 3ª feira 4 dos 5 questionamentos preliminares apresentados pelos advogados de defesa. As questões dizem respeito ao andamento processual.

Na sessão de desta 4ª será analisada a última preliminar. Trata-se de 1 questionamento da defesa sobre a inclusão dos depoimentos de delatores da Odebrecht e de João Santana e Mônica Moura no processo. Depois, os ministros entrarão no mérito da ação.
A Corte julga uma ação de investigação judicial eleitoral (AIJE), proposta pelo PSDB.  Para os tucanos, a ex-presidente Dilma Rousseff e seu vice à época, Michel Temer, cometeram abuso de poder politico e econômico nas eleições de 2014.
O presidente Gilmar Mendes iniciou a sessão às 19h05. O relator Herman Benjamin abreviou a leitura do relatório, que soma 1.032 páginas. Começou às 19h15min e terminou às 19h58min.
Na sequência, abriu-se espaço para a sustenção oral dos advogado das partes envolvidas. Falaram pelo PSDB José Eduardo Alckmin e Flávio Henrique Costa Pereira. Eles dividiram o tempo de 15 minutos destinado às partes.
Depois assumiu a tribuna Flávio Caetano, advogado de Dilma. Gustavo Guedes e Marcos Vinícius Coelho fizeram a sustentação na defesa de Michel Temer e o vice-procurador-geral Eleitoral, Nicolao Dino, leu o parecer do Ministério Público Federal.
O MPF pede a cassação de Temer e a inelegibilidade de Dilma Rousseff por 8 anos.
O processo
O julgamento é resultado de 4 ações que apuram supostas irregularidades da chapa formada pelo PT e pelo PMDB na eleição presidencial de 2014.
São elas: aime 761 (ação de impugnação de mandato eletivo), aijes 194358 e 154781 (ações de investigação judicial eleitoral) e a representação 846.
As ações propostas pelo PSDB reclamavam de supostas irregularidades cometidas durante a campanha, como o uso de empresas públicas para divulgar a candidatura de Dilma.
A primeira ação (aije 154781) foi apresentada no dia 2 de outubro de 2014, antes do 1º turno das eleições. As seguintes vieram em dezembro de 2014 e janeiro de 2015 (duas ações).
As 4 ações foram unificadas em uma só (a aije 194358) em 17 de março de 2016. A decisão foi do então presidente do TSE, Dias Toffoli.
O quadro abaixo, elaborado pelo PSDB, traz as principais acusações de cada um dos processos:

Relacionados

DESTAQUES 6340923266390128737

Corredores do Poder

+ CORREDORES DO PODER

Instagram

WHATSAPP

WHATSAPP
item
Wordpress