Geddel agia junto com Cunha para beneficiar empresas, aponta PF

  • Edilson Lima/Agência A Tarde
    13.jan.2017 - Policiais federais cumpriram buscas em um imóvel do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) no edifício Pedra do Valle, em Salvador
    13.jan.2017 - Policiais federais cumpriram buscas em um imóvel do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) no edifício Pedra do Valle, em Salvador
A PF (Polícia Federal) cumpriu mandados de busca e apreensão em imóveis do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), nesta sexta-feira (13), em Salvador. Agentes estiveram, nesta manhã, no edifício Pedra do Valle, no Jardim Apipema, e em uma casa, no bairro Interlagos. Eles já deixaram os imóveis. Os sigilos bancário e fiscal de Geddel também foram quebrados por ordem da Justiça.
Geddel, que foi ministro nos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Michel Temer, é suspeito de participar de uma esquema de fraude na liberação de recursos da Caixa Econômica Federal para empresas entre 2011 e 2013, período em que foi vice-presidente de Pessoa Jurídica do banco. O UOL não conseguiu contato com os advogados de Geddel.
Além de Geddel e da Caixa, também são alvos dessa operação Eduardo Cunha, Fábio Cleto, Lúcio Funaro, Marcos Antônio Molina dos Santos, José Henrique Marques da Cruz, e Marcos Roberto Vasconcelos. Todos eles também tiveram seus sigilos bancário e fiscal quebrados.
As informações que basearam a operação foram encontradas em um celular apreendido na residência do ex-deputado Eduardo Cunha em dezembro de 2015, quando ele era presidente da Câmara Federal.
O esquema envolveria a liberação de recursos da Caixa para as companhias --dos ramos de frigoríficos, de concessionárias de administração de rodovias e de empreendimentos imobiliários-- por meio de direcionamento político, com participação de Cunha, em troca de pagamento de propina.
Com base em informações da PF, o despacho judicial aponta que Geddel agia "internamente, em prévio e harmônico ajuste com Eduardo Cunha e outros, para beneficiar empresas com liberações de créditos dentro de sua área de alçada e fornecia informações privilegiadas para outros membros do grupo criminoso".
Foram expedidos sete mandados de busca e apreensão em endereços residenciais e comerciais. Três foram no Distrito Federal, dois na Bahia, um no Paraná e um em São Paulo, informa a PF. Eles foram ordenados pela 10ª Vara da Justiça Federal, no Distrito Federal.
No Distrito Federal, um dos alvos dos mandados de busca e apreensão foi a vice-presidência de Tecnologia de Informação da Caixa Econômica Federal. Os dados apreendidos devem ajudar a compreender "todo o processo decisório que resultou na aprovação dos créditos e/ou investimentos questionados", além de acesso às mensagens armazenadas nas contas de e-mails corporativos, aponta o despacho.
Evaristo Sá-16.abr.2016/AFP
Celular de Cunha foi apreendido durante operação da PF em dezembro de 2015

"Vantagens indevidas"

A operação, chamada "Cui Bono?" --referência a uma expressão latina que significa "a quem beneficia?"--, é derivada da CatilináriasDesdobramento da Operação Lava Jato, ela foi realizada em 15 dezembro de 2015.
Na ocasião, agentes da PF cumpriram mandados de busca e apreensão que atingiram líderes do PMDB, como Cunha.
O celular de Cunha encontrado na operação foi periciado e, "mediante autorização judicial de acesso aos dados do dispositivo, a PF extraiu uma intensa troca de mensagens eletrônicas" entre o ex-deputado e Geddel, informou a instituição.
As mensagens indicavam a possível obtenção de vantagens indevidas pelos investigados em troca da liberação para grandes empresas de créditos com a Caixa, "o que pode indicar a prática dos crimes de corrupção, quadrilha e lavagem de dinheiro", segundo a PF.
Segundo as informações, o caso passou a ser da alçada da Justiça Federal do Distrito Federal depois que Cunha e Geddel perderam o foro privilegiado.
Geddel, um dos principais aliados de Michel Temer, deixou o governo em novembro após o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero acusá-lo de tê-lo pressionado a rever uma decisão que impede a construção de um empreendimento imobiliário onde o então ministro da Secretaria de Governo adquiriu apartamento, em Salvador.
Cunha teve seu mandato de deputado federal cassado em setembro. Ele está preso em Curitiba desde outubro.

Envolvidos

De acordo com a PF, o esquema envolveria o então vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa, além do vice-presidente de Gestão de Ativos do banco, Marcos Vasconcelos, e empresas dos ramos de frigoríficos, de concessionárias de administração de rodovias e de empreendimentos imobiliários, além de um operador do mercado financeiro. A PF não identificou as empresas investigadas na operação "Cui Bono?".
Geddel foi nomeado para o cargo de vice-presidente da Caixa Econômica Federal pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2011, primeiro ano de seu mandato inicial no Planalto. Geddel ficou no cargo por dois anos até que, em 2013, comunicou que sairia porque iria apoiar uma candidatura contrária à do então governador baiano Jaques Wagner (PT).
Já brigado com o governo, disputou uma vaga no Senado em 2014, mas perdeu para o candidato apoiado pelo PT, Otto Alencar (PSD).
No ano seguinte, Geddel seria um dos primeiros peemedebistas a defender o desembarque do partido do governo Dilma. Com o processo de impeachment da petista, tornou-se homem-forte do novo presidente, Michel Temer.

Cunha nega envolvimento

Por meio de nota, um dos advogados de Cunha, Pedro Ivo Velloso, informou que a defesa do ex-deputado "não teve acesso até o momento à investigação, mas, desde já, rechaça veementemente as suspeitas divulgadas. Tão logo tenha acesso à investigação, irá se pronunciar especificamente sobre cada acusação." 
(Com Reuters)

Relacionados

DESTAQUES 7278945844470237961

Corredores do Poder

+ CORREDORES DO PODER

Instagram

WHATSAPP

WHATSAPP
item
Wordpress